Tereza Fontana

Casada com Antônio Simon

Download

Clique no botão ao lado para fazer o download da descendência de Tereza Fontana 

em Turvo Baixo. Morou durante cinco anos com sua sogra Josefa, onde nasceram os filhos: Ângelo, Maria, Libera e Laura Líce. Em 1950, construíram sua própria casa, onde nasceram os outros filhos: Afonso Sérgio, Ana Maria, Osair Luiz e Márcia Rosane.

Tereza nasceu em Criciúma, em 21 de janeiro de 1925. Era a segunda filha de Afonso Fontana e Ana Dal Pont. Quando criança, veio com os pais para Vista Alegre, Ermo, SC.

 

Afonso fixou residência neste local e Tereza, junto com seus irmãos ali cresceu. Sua vida era como de todas as crianças da época. Trabalhava na roça desde pequena e ajudava nos afazeres da casa. Eram tempos de poucos recursos, pouco dinheiro e muito trabalho. A escola frequentou pouco, mas sabia ler e escrever. Aos domingos e dias santos participava das festas e das domingueiras com suas amigas e irmãos. Na época as pessoas se conheciam nas festas das comunidades mais próximas (viajar era difícil): Vista Alegre, Garuva, Água Branca, Morro do Ermo, Ermo, Morro do Cipó. Surgiam os encontros, os namoros e os casamentos.

 

Era Festa de São Donato, em agosto, em Morro do Ermo, onde Tereza conheceu Antônio Simon, de Turvo Baixo, e começaram o namoro. Antônio tinha seus tios André e Luiza Fontana e seu irmão Francisco e Pascoalina, que moravam em Vista Alegre. 

 

Tereza e Antônio casaram-se no dia 24 de fevereiro de 1945, em Vista Alegre, com a benção do padre João Reitz e forma morar 

Tereza e Antônio na comemoração de 60 anos de casados , com os filhos.

Da esquerda: Ana Mª, Inês, Laura, Lice, Osair, Luís, Ângelo, Márcia Rosane e Afonso Sérgio

 

 

Tereza e Antônio eram pessoas de muito trabalho. Tinham vacas de leite, ela fazia o queijo que era vendido no Seminário de Turvo (famoso queijo de quadrinhos). Cuidava da casa e dos filhos e contava com a ajuda de Norinha, que morou com ela por muitos anos. Antônio cuidava das roças, da engorda de porcos, com os empregados. Participava das festas, missas e visitava os pais e suas comadres. Tinha o costume de doar, jamais uma pessoa saía de sua casa sem levar uma oferta, principalmente, o que plantavam.

 

Para seus agregados não faltava leite para as crianças e um pedaço de chão para plantarem seus alimentos básicos. Ajudou seus filhos a começarem a vida, a estudar e formarem suas famílias. Sempre soube dar o apoio necessário nas horas de dificuldade e de alegria. Gostava de ler, de festas e de passear nas casas de seus filhos, que moravam longe. Era preocupada com seus netos, quando pequenos e quando crescidos, suas palavras sempre foram de incentivo, para que se tornassem pessoas de bem e honestas.

 

Em 1984, mudou-se para a cidade de Turvo, onde viveu com mais descanso, participava das atividades de grupo de idosos, gostava de costurar, bordar e conversar com suas vizinhas e amigas, que sempre lhe acalentavam, quando se sentia só, principalmente, quando perdeu seu esposo, companheiro de 62 anos de casamento. Antônio faleceu no dia 07 de março de 2007 e Tereza no dia 05 de dezembro de 2011.

 

Sua família, hoje, segue diferentes caminhos de trabalho: na agricultura, no funcionalismo público, em empresas, profissionais liberais e outras profissões, moram em Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e outros países, sempre na busca de novas oportunidades, traço estes vindo de seus antepassados e incentivados pelos seus pais, avós e bisavós. Tereza foi exemplo de trabalho, honestidade e confiança para seus 9 filhos, 22 netos e 28 bisnetos.