Dividido entre a escola e a roça

Pacífico

Sentados: José, 'nonna' Teresa, Rosina, Inês,

Pacífico e Carmen (Marica), no colo

 

 

O filho caçula de Fortunato Giuseppe e Teresa Benedet Fontana, Pacífico, nasceu prematuro de 7 meses de gestação em Cocai, no município de Urussanga, no dia 10 de dezembro de 1906. Para sobreviver, sua encubadora foi um "pelego" de carneiro onde ficou por 2 meses até completar os 9 meses. 

 

Iniciou seus estudos na escola de Cocai aos sete anos, onde frequentou até a terceira série, sempre ajudando a família na roça. Casou-se com Rosina Dassoler e tiveram 11 filhos. Muito trabalhador, fazia constantes viagens à Serra em São Joaquim para comprar tropas de gado para comercializar em Cocai, Criciúma e Urussanga. Possuia um engenho de farinha e cana em sociedade com o irmão Fiorindo e uma serraria também em sociedade com outro irmão, João. Além disso e do seu talento com a agricultura, tinha boa habilidade para carpintaria, fazendo seus carros de boi e outros serviços que envolvessem o dom.

 

                                                             Muito católico, ia todos os domingos à missa montado em seu cavalo.

                                                             Ajudou na construção da primeira igreja da comunidade, de madeira, e                                                                  da segunda, jáde tijolos. Seu lazer era jogar bocha e trunfo no "botico" da                                                              igreja ou nas casas de amigos. Seus grandes amigos eram os senhores                                                                Jacomo Da Soller, Daniel Zanettee Avelino (serrano).

 

                                                             O relacionamento com a esposa Rosina era cercado de muito carinho.                                                                    Tratava a esposa com muito respeito e dedicação. Priorizava a família                                                                  dizendo que as noras e os genros eram como filhos e afirmava que sua                                                                família era composta por 22 filhos. Seus descendentes têm a lembrança                                                              de um pai exemplar e um grande marido.

 

                                                             Sua morte aconteceu repentinamente, com um derrame cerebral no dia                                                                4 de julho de 1974. Seu corpo está sepultado no cemitério do Bairro São                                                                Simão, município de Criciúma. A esposa Rosina Dassoler Fontana, com                                                                  quem viveu por 46 anos, também está sepultada no mesmo cemitério.                                                                  Ela faleceu no mesmo dia em que o marido, porém 13 anos depois.

Em pé: Hilario, Hercelino, Marcolina,

Henriqueta, Vitalina, Cecília, Zulma e Aldoir

Rossina Dassoler e Pacífico