Irma Fontana

Casada com João Moro

Download

Clique no botão ao lado para fazer o download da descendência de Irma Fontana 

Boa negociante, solidária, humilde, caridosa e com grande facilidade de fazer amigos. Assim era Irma Fontana Moro, mais conhecida por Nena. Ela nasceu em 14 de março de 1933 em Vista Alegre, cidade de Sombrio. Filha caçula de André Fontana e Luiza Simon. Família de tradição católica praticamente dedicada ao trabalho na roça, e também de tradições mantidas junto à igreja e a solidariedade.

 

Conforme familiares, Nena tratava com jeito especial as pessoas, dedicando seu tempo aos sobrinhos. Quando moça, seguia o exemplo das irmãs, dedicava-se à catequese, à reza do terço na capela de Vista Alegre e chegou a fazer encenação sendo filha de Maria. Era uma mulher de fé e de boas ‘obras’, sendo ainda presidente do Apostolado da Oração, presidente da APP (Associação de Pais e professores) da Escola Básica Pedro Simon.

 

Irma ficou órfã e em 18 de outubro de 1952. Casou-se com João Moro na capela de São Donato, em Morro do Ermo, quando ele tinha 24 anos. Na época fixaram residência em Vista Alegre, que hoje é pertencente ao município de Ermo. João Moro, estabeleceu sociedade comercial com Abel Acordi casado com Cecília Fontana – sua cunhada.

Após curto período o casal mudou para a comunidade de Ermo com armazém de secos e molhados e levaram com eles a nona Luiza. Nena era madrinha de muitos casamentos, muitos afilhados, era uma cantora dedicada nos corais da igreja, e ainda coordenadora da liturgia. Tinha grande orgulho de ser cursilhista. Sua casa era passagem obrigatória para padres, bispos, religiosos.

 

Sempre teve uma excelente memória, era organizada, e tinha um perfil para comandar. Trabalhou por 33 anos no comércio juntamente com seu esposo. Os netos puderam conhecer e vivenciar o colorido que era sua casa, suas roupas, pois ela transmitia vida, calor, energia, e seu jardim era sempre florido com frutas e pássaros. Além disso foi uma excelente mãe, esposa, avó, bisavó, sogra e amiga. Faleceu no dia 12 de agosto de 2012, era Dia dos Pais, em sua casa junto aos seus filhos.

Já João Moro, nascido em 12 de Fevereiro de 1929 em Meleiro era filho de Augusto Moro e Catarina Magagnin. Apaixonado pela comunidade e pela igreja era referencial de localidade, na educação, religiosidade e política. Com seu carro transportava tudo e todos, entes eles, parteira, times de futebol, fazia acolhimento de doentes e até alguns defuntos.

 

Homem simples, calmo, humilde com ideias de futuro. Foi um dos idealizadores da construção da gruta de São Donato, em Morro do Ermo, e da Primeira Experiência da Partilha e de Ação de Graças, até hoje realizada no dia 1º de maio.

 

 

 

 

Fez parte da Comissão de Emancipação do município, e mais tarde tornou-se vereador. Faleceu em 06 de maio de 2002. O casal, que ficaram juntos por 49 anos e sete meses, tiveram três filhos, seis netos e um bisneto.