Eliza Savi

Francisco Darolt

Francisco desde novo começou a trabalhar na roça com o pai. Aprendeu muita coisa com ele: as lidas da lavoura, carpintaria, a operar o engenho de cana de açúcar, onde fazia açúcar e cachaça, a operar o pilão de arroz, tocado a água. Tudo isto, Chico, como era chamado, fazia junto com o pai.

 

Aos vinte e dois anos de idade, Francisco casou com Elza Savi. Com o casamento, o pai deu ao Francisco, um pedaço de terra e uma casa para eles morarem e começarem a sua vida de casado. Criavam vacas de leite para fazer o queijo, criavam porcos e galinhas. Tinham uma vida de sacrifício, mas nunca faltava a boa polenta na mesa.

 

Como também aprendeu o ofício de carpinteiro com o pai, Francisco começou a fazer carros de boi. Francisco era mesmo dotado e começou a cortar cabelo da turma, aos sábados, acrescentando mais um ofício à sua vida: o de barbeiro.

 

Depois de um certo tempo, Francisco vendeu a sua propriedade para Elias Daros e foi morar em Maracajá para trabalhar só como carpinteiro e barbeiro. Francisco e Eliza não tiveram filhos e, então, adotaram duas crianças, Giné e Alesandro.


 

 

Faz vinte e dois anos que Francisco faleceu e, quatro anos que Eliza descansou.  Este relato da vida de Francisco foi feito pela sua irmã, Alvira.